A noção de espera no contexto da experiência artística: “puxar o gatilho” vs. “recolher no chão”
Cadernos de Arte & Antropologia, vol. 6, nº 2. 



Resumo:

A minha proposta visa problematizar a noção de espera no contexto da experiência artística. Assente comummente numa dupla erudição - o saber-cifrar do artista, o saber-decifrar do espectador -, esta última remete para o esforço e a antecipação, ao passo que a espera induz a demissão do artista e do espectador face aos respectivos saberes. Nesse contexto, coadjuvado por um espectador impelido em associar-se ao projecto, o artista é aquele que “puxa o gatilho” do objecto criado na senda da revelação da obra. Porém, é possível pensar numa espera promotora da experiência artística baseada na “recolha no chão”, isto é na retracção do artista e do espectador face ao saber-cifrar e saber-decifrar, fazendo com que a obra, agora não antecipável, seja recolhida caridosamente e sem esforço num qualquer “chão”.

Artigo completo︎